Apostas Online em Portugal – Aposta Ganha
Apostas Online

        Apostas Online em Portugal. Prognósticos, Tips e Guias de como apostar nos sites de apostas

Adepto vs Apostador: o dilema cognitivo

Em Psicologia, Festinger denominou de Dissonância Cognitiva quando existe um conflito entre o que um indivíduo acredita ser o certo e aquilo que é de facto praticado. Vamos então ao Adepto vs Apostador: o dilema cognitivo.

Adepto vs Apostador: o dilema cognitivo

Essa incoerência acaba por afectar o seu processo de tomada de decisão, o que provoca algum tipo de sofrimento. E como se transporta isso para o mundo das apostas? No maior dilema que existe para um apostador: apostar num jogo da própria equipa. E ainda mais quando existe mais do que um clube nas nossas preferências.

Adepto vs Apostador

Comecemos pela Psicologia. Existem três formas de tentar resolver essa dissonância. Chama-se Relação Dissonante quando a pessoas tenta substituir uma das crenças, opiniões ou comportamentos da dissonância.

Se o indivíduo tentar esquecer ou reduzir a importância ou força dessas cognições, estamos a falar de Relação Irrelevante. Por último, se a pessoa tentar adquirir novas informações ou crenças que contrariem a dissonância e aumentem a consonância, estamos a falar em Relação Consonante.

Como se traduz isso nas apostas? Numa de quatro formas:

– A abordagem mais simples e que nos poupa trabalho e sofrimento é a de ser apenas adepto. Ou seja, não apostas nos jogos da sua(s) equipa(s). Irá assistir ao jogo e sofrer com o resultado, mas apenas pelo factor emocional e não pelo facto financeiro. Quer a sua equipa ganhe, empate ou perca, o saldo contabilístico mantém-se. Todos os dias há eventos desportivos onde se possa apostar, por isso não há necessidade de escolher os da nossa equipa;

– A abordagem mais relacionada com o adepto-apostador é aquela em que apostamos sempre a favor da nossa equipa. Seja porque estamos de tal forma enviesados pelas qualidades da nossa equipa, seja por questões de superstição (“apostar contra a nossa equipa, chama o azar”), seja porque de facto a nossa equipa apresenta uma percentagem de vitórias que vale o risco, a verdade é que há apostadores que prefere ir cegamente na sua equipa. Vantagem desta abordagem: quando ganha é dupla a satisfação. Desvantagem: se se perde, a azia também é a dobrar.

– Outra abordagem acaba por estar ligada aos adeptos mais pessimistas ou cautelosos: aqueles que apostam sempre contra a própria equipa. Mais uma vez, seja por razões mais “racionais” como o real desempenho da equipa ou a análise dos defeitos da equipa, seja por razões mais “supersticiosas”. Acima de tudo, acaba por ser uma defesa cognitiva de: se ganharem, fico contente e que se lixe o dinheiro; se perderem, eu já sabia e ao menos ganhei dinheiro. Ou seja, a fórmula é que o bolso compense a perda emocional ou que a alegria compense a perda monetária.

– E finalmente, a última abordagem é a de um apostador profissional: olhar para o jogo como outro qualquer e buscar uma aposta de valor. Se for contra a nossa equipa, que seja. Se for menos doloroso, pode procurar-se uma aposta que não vá directamente contra a nossa equipa. Por exemplo, imagine-se que acreditamos que a nossa equipa possa perder o jogo. Podemos então ver se há valor nos handicaps positivos. Ou seja, não estamos a apostar contra a nossa equipa, mesmo que racionalmente pensemos que não haverá um desfecho desportivo positivo.

Estas são as formas de encarar um jogo da própria equipa no mundo das apostas.

Normalmente os apostadores lúdicos ou não apostam ou seguem mais o coração (apostar sempre a favor ou sempre contra a equipa), e os apostadores profissionais seguem mais o último caminho.

Como digo várias vezes, os apostadores profissionais tem como clube primordial o FC Meu Bolso. Ou seja, primeiro olham para a componente financeira. Se o valor está em apostar contra a própria equipa, que seja.

Não sou apostador profissional, nunca vivi das apostas. Posso dizer que já perdi e ganhei dinheiro a apostar, sendo que o saldo está equilibrado.

apostadores profissionais

Faço-o mais por diversão e para ter uma ligação diferente ao desporto. Durante muito tempo não apostei contra a minha equipa, fosse por viés emocional fosse por superstição.

Tive a sorte ou azar de a minha profissão me ter levado a trabalhar no meu próprio clube. Foram três anos de muita aprendizagem, alegrias e sofrimento, repleta de episódios que irei desvendando aqui nos meus artigos.

A parte negativa foi que me tirou algum do gosto que eu tinha pelo desporto futebol e inclusivamente pelo meu clube. Não que seja o único a ter estes defeitos, mas esperamos sempre que o nosso seja diferente. Não é! Como adeptos, garanto-vos que é melhor nunca misturar coração com trabalho.

E porque decidi contar isto tudo?

Porque depois da minha incursão mais próxima com o futebol profissional de alta competição e, em particular com o meu clube, demorei até voltar a ver, gostar e apostar em futebol.

A minha visão tinha mudado. Aliás, foram as apostas (com valores simbólicos) que me voltaram a pôr o bichinho da bola.

E ouvir os podcasts de apostas do Aposta Ganha e mesmo seguir o chat do Telegram.

Podcast de apostas

O desporto, especialmente o futebol, tem esta qualidade de nos identificarmos e sofrermos em grupo. Seja porque somos adeptos do meu clube ou porque fizemos a mesma aposta.

Quantas vezes não vos aconteceu estar a ver o mesmo jogo em sítios diferentes do país ou até do mundo, acontecer um golo e ir anunciar no chat? Em busca da comunhão com os outros apostadores.

Nem que fosse um jogo em Antígua às 2h da manhã ou na Tailândia às 8h da manhã. E não me vão dizer que as vossas equipas são de lá.

Voltando ao início do artigo, no mundo das apostas, muitas vezes não é o nosso clube que mais importa.

É o FC Meu Bolso. Ou o nosso bolso, no caso de pessoas que partilham com os outros uma aposta.

O nosso clube está sempre existir e irá continuar a competir, a ganhar ou a perder.

Agora o nosso dinheiro, a nossa carteira, essa é uma preocupação mais diária porque tem impacto em outras áreas como a saúde ou a família.

É por isso que os apostadores profissionais conseguem mais facilmente fazer esta separação. Se acham que não conseguem, o meu conselho é não apostem nesses jogos. Vejam apenas como adeptos.

Se vão fazer cegamente a favor ou contra, não o façam. Tem centenas ou milhares de eventos desportivos todos os dias.

Poupem-se ao sofrimento duplo de apostar num jogo onde estão investidos emocionalmente.

Se conseguem fazer a distinção e encontrar o valor, ainda que este seja contra a vossa equipa, lembrem-se que o mais importante é ganharem a aposta.

Espero que tenham gostado de mais este passeio no mundo da Psicologia.


Outros links Apostaganha onde podes obter mais informações:

Receba Tips exclusivas e gratuitas no canal dos tipsters Profissionais Apostaganha: PROFISSIONAIS

Entra no nosso canal do telegram se queres Receber todos os Prognósticos, Destaques, Tutoriais, Promos e muito mais., assina o nosso CANAL .

Se queres conversar connosco também no Telegram através de CHAT Clica aqui….Assiste a todos os nossos podcast e dicas de apostas no nosso canal de youtube. Se gostas de outras redes sociais segue-nos no Instagram e Twitter.

Um Comentário

  1. Avatar

    Valter Manuel Domingos

    3 de Março de 2020 at 22:57

    Boas Francisco sem divida que o melhor cube é o FC Meu Bolso, e é nesse que nos devemos concentrar, e quando apostar mos que seja na probabilidade maior de o nosso FC Meu Bolso aumentar cada vez mais.
    Parabéns pelo artigo

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *