Prognósticos para Apostas Desportivas Online - Aposta Ganha

Apostas em 2018 – Panorama Internacional, Norte e Sul-Americano

Apostas em 2018 – Panorama Internacional, Norte e Sul-Americano

Voltámos no decorrer do primeiro artigo sobre o que esperar das apostas online em 2018.

Se fiz futurologia em relação ao panorama de Portugal, talvez, mas penso que no decorrer do ano, podemos ver alguns assuntos que abordei a serem referenciados em noticias sobre as apostas.

Agora vamos abordar o panorama internacional obviamente falando no estado das apostas na Europa ainda com ligações ao assunto de hoje e falar do Reino Unido e vamos viajar até ao continente Norte e Sul-Americano.

Esta semana, fomos abordados e parece que agora é fácil falar sobre isso, com questões de movimentações, ou melhor noticias nada animadoras para quem está no Brasil.

Tinha em mente dizer neste artigo aquilo que pensava, mas agora já vou tarde, pois uma das notícias já saiu, a Skrill e a Neteller não aceitarem depósitos de casas de apostas.

Tudo isto leva a que a legislação no UK e somando a questão Brexit, pode estar a influenciar e bastante, as decisões das casas.

Outra noticia que vai ao encontro do que pensava e mais uma vez, já surgiu, e casas como a Bet365 possam estar a ter mais dificuldades do que se pensava. Após ter mudado todo os esquemas de bónus e de afiliação, noticias sobre o cancelamento de apostas, só vem corroborar a minha ideia sobre este assunto.

Muitas já têm sido as queixas que a bet365 teve e que outrora se distanciava por não fazer como as outras, está a entrar no mesmo caminho. Anula apostas quando outrora assumia os erros e até protegiam o apostador.

Passou a ser como as outras? Sabemos que não, pois a relação marca vs apostador está ainda consolidada, mas creio que se houverem mais destas, e com o marketing que tenho visto contra esta casa em específico poderá trazer mais dissabores.

A notícia de que a CEO da bet365 ganha muito dinheiro, também não abona em nada a questão da credibilidade da casa. Quero querer que a casa pode estar a sentir dificuldades. Concorrência vinda da Rússia, e não só, as leis no Uk cada vez mais rígidas, e o facto de ter que pagar muito imposto onde entrou em países regulamentados.

O investimento pode não estar a dar retorno e poderemos ver algumas manobras de rentabilização da casa, e poderá passar pelos Bónus oferecidos, afiliações e até “sacar” algumas percas na parte das apostas em si. E as odds já se faz sentir.

Não é de todo o meu objectivo falar mal da bet365 é apenas constatar as notícias e pensar um pouco para além delas. O nosso espirito crítico obriga-nos a pensar nisso e dá-nos essa mesma liberdade. Pode nem ter fundamento mas que é no mínimo estranho é, não concordam?

Voltamos a questão Europa – UK!

As coisas estão a ficar apertadas, e a questão países sul-americanos estão a sofrer com as restrições causadas na própria Europa, como a UK gambling ect ect. Digamos que fragmentos das decisões que têm que ser tomadas caso queiram operar no Reino Unido. Obviamente países sul-americanos, estão a “levar” com essas decisões e cada vez as coisas ficam mais apertadas.

Voltando a Portugal, agora, Europa, com o caminho da legalização, taxação das apostas online, as casas estão a ser obrigadas a ajustar-se. Neste processo o único “perdedor” será mesmo o apostador. Menos Bónus, menos ofertas, menos condições, enfim o pior de tudo…menos odds “gordas”.

Passamos um momento complicado e a questão esta semana das carteiras virtuais, vem bater ao que já pensava.

O panorama das apostas online pode mesmo mudar!

Sim, acredito que sim, começo por falar de que quase que obrigatoriamente passará por uma moeda especifica virtual! Será depois convertida em taxas de conversão? Talvez, o Bitcoin ainda aí está e porque não seja uma solução a curto e médio prazo.

A criação e uma nova moeda específica? Acredito, mas neste momento depois do Bitcoin as coisas estão mais apertadas nesse caminho. Não creio que deixem proliferar outra moeda assim de repente.

Depois destas notícias todas no Brasil e não só, acredito que poderemos também sofrer algo com isto. Esperamos para ver!

Bom, não é a toa que tenho conhecimento que já existe pelo menos duas casas a funcionar com Bitcoins. Acredito que possa passar por aí, mas ainda digo mais, ainda está outra solução bem à frente dos nossos olhos..
Brokers, sim!

Eu olho para o mercado e para as noticias sempre procurando o porquê. E no mercado financeiro onde se gere milhões, os passos são bem dados sem pisar armadilhas ou terrenos escorregadios!

Antes disto tudo acontecer fomos surpreendidos e bombardeados com os brokers, uns até conseguiram um feito, entrar para o oddsportal por exemplo…

Bom grande passo, mas tudo a meu ver tem uma lógica, investiu-se na divulgação, e é agora o tempo para colher os frutos.

Então deu-se um passo antes da “tragédia”? Deu-se um passo, uma solução antes de acontecer algo onde passa por essa solução?

“Caramba” a malta que anda nisto sabe mesmo mexer-se no mundo das apostas e sabe bem como agir antes do tempo não é verdade?

Consigo ver a correlação nestas notícias e nestes anúncios, e percebo que o mercado está a mexer-se bastante. E a minha projeção para 2018 a nível internacional será mesmo por mudar o paradigma das apostas online da maneira como as conhecemos hoje.

A transição está a ser feita devagar, estamos ajustar-nos. Reparem:

  • Legislação nos países na europa
  • Legislação nos países sul-americanos
  • Os reguladores a colocaram mais regras rígidas, UK gambling e Comissão Europeia, caso Brexit!
  • Aparecimento dos brokers, assim, vindos do nada, com publicidade.
  • Carteiras virtuais a serem bloqueadas para estes efeitos
  • Surgimento de casas de apostas aceitar cripto moedas
  • A própria Skrill e Neteller aceitar Bitcoins

Em suma vamos ver uma mudança nas apostas no decorrer deste ano de 2018. Podemos mesmo que mudar certas opiniões sobre certas coisas, para podermos continuar no mundo das apostas online-

Ponto certo é que os brokers vieram para ficar, e serão para já em 2018 a escolha certa. Outro assunto importante que vou referir já a seguir é a questão do apostador! Será que o apostador vai continuar, uns vão desistir, ou darão o próximo passo?

Perguntas que só o tempo pode responder, mas é certo que saberei dar a minha humilde opinião, e aqueles que estão “bem” nas apostas esses dificilmente abandonarão o caminho.

Eu até já vi vídeos a falarem sobre isso, pode ser as notícias impulsionadoras para deixar o amadorismo e procurar a especialização. Muitos darão o próximo passo para se tornarem profissionais. Outros com a falta de meios e sobretudo sempre na sombra de outros, poderão deixar este mundo, que acredito seja a solução mais sensata.

Outros continuaram e irão esperar por mais notícias, vão indo na crista da onda até verem onde podem chegar. Muitos já saíram, outros emigraram e outros deixaram este mundo e passaram até e apenas a ser apostadores lúdicos.

Espera-se então que muitos desistam e muitos continuem a investir na sua formação e sobretudo a caminhar para o profissionalismo. Mas isto leva-me a uma questão!
Sem apostadores lúdicos, como sobreviverão as casas de apostas?

Esta é a pergunta que eu faço a mim mesmo…Sem aqueles que apostam só por apostar, sem qualquer conhecimento do que estão a fazer, como é que uma casa de apostas vai sobreviver só com profissionais no terreno?

Resposta simples…. Sabem como funciona a bolsa de valores? Bem penso que passará por aí, vamos chegar ao ponto de comprar e vender tick’s? Mas pera…. Mas será que muitos já não fazem isso? O Trading poderá estar em vantagem neste momento em relação ao futuro? Não sei…

Bom, não consigo responder coerentemente, pois não tenho a bola de cristal, mas sei que o futuro é negro para os amadores e aliciante para os profissionais e para os futuros profissionais. As casas terão que se moldar, colocar-se noutra posição, pois terão mais profissionais do outro lado que amadores.

Pode cair-se no ridículo de dizer isto? Pode, mas a uma coisa que me leva a pensar que os amadores irão sempre “ajudar” as casas é que existem…. Os mercados regulados.

A tendência é que um mercado regulado comesse a ser mais abrangente, e com concorrência possa abrir mais espaço para baixas de taxas por exemplo. Melhores condições para os apostadores, odds ligeiramente mais altas e com isso voltar a trazer apostadores lúdicos para o online.

Mas para isto funcionar a balança tem que estar equilibrada, e na questão da regulamentação, está um pouco atrasado, mas as grandes casas já estão regulamentadas nos sítios certos por exemplo. Vejo que as casas também deram um passo em frente em busca da sua rentabilidade, muitos assumiram taxas insuportáveis para se assumirem no mercado em certos países.

Acredito que a balança possa equilibrar-se mais tarde mas durante esta “mudança geral” podermos ver algumas descompensações entre as partes, o apostador e as casas de apostas.

Se o apostador for um apostador atento e razoável, penso que irá “safar-se” deste possível conflito que penso que irá em breve acontecer. Mas demais informo que este processo mal se vai notar, porque todos os interesses envolvidos nisto serão que a “malta não se espante daqui para fora!”

Divagamos um pouco? Sim talvez, mas penso que o mundo das apostas vai mudar, devagar e connosco acompanhar de certeza.

A luta será mais difícil ainda, mas acredito que em breve estaremos todos ajustados à nova realidade, casas e apostadores.

Casas de apostas é certo mas e os brokers?

Bem estes terão mais clientes como nunca, e é agora a altura certa de apostar na “angariação” deste serviço que irá resolver muitos problemas de muitos apostadores neste momento.
O que irá ficar mais barato será os préstimos dos apostadores profissionais aos investidores pois haverão mais, mas os bons e com provas dadas no mercado esses podem ver subir a sua fasquia…
Falta falar na questão sul-americana, e irei puxar também os norte-americanos para a mesma abordagem…

No sul, as coisas vão cada vez mais caminhar para a legalização, muitos irão fugir para os brokers para continuarem apostar e tornando-se assim profissionais muitos deles. Outros irão viver sempre na redoma do que as casas farão após a legislação.

Alguns países sul-americanos já estão regulamentados, e pelo feedback que tenho tido até tem sido fácil a mudança. A questão passou foi mesmo pela questão da moeda e aí foi mais complicado viver das apostas.

Países que ainda não estão regulamentados, irão dar o próximo passo, quando os outros começarem apresentar dados concretos de receitas, países como Brasil, Peru com alguma tradição nas apostas poderão seguir os passos dados por estes.

Aqui veremos como vai ser esse passo, mas acredito que será muito semelhante ao de Portugal – Taxas altas – Logo poucas casas para investir, mas que poderá melhorar com o tempo…

Os Estados Unidos, e coloquei aqui juntamente com esta questão, fala-se muito da legalização das apostas por lá. Muitos estados já lutam por isso, e muitos já a beira de poderem fazê-lo. A questão do online e muito complexa no EUA, mas acredito que um Presidente Trump as coisas possam ser resolvidas até lá.

Como sabem Trump teve ou tem um Casino, e vê a questão das apostas de outra forma. A receita gerada com isso nos EUA acredito que deve ser astronómica caso as apostas viessem a ser legalizadas. Acredito que muitas casas pagariam este mundo e o outro para poderem operar lá!

A questão de Trump é a seguinte, será que ele não gosta mais que as pessoas entrem em sítios próprios do que o façam em casa? Esta é a minha dúvida, mas acredito talvez não em 2018, mas num futuro muito próximo a questão apostas online nos EUA vai-se resolver de vez.

Bom e foi assim que dou por finda esta série de dois artigos sobre o que esperar das apostas online em 2018 e em muitos dos casos fomos ao futuro divagando quem sabe um pouco!

Espero que tenham gostado da “minha” ideia, e sim não passa disso mesmo, é a minha opinião e que aproveitam também para refletir um pouco sobre as apostas desportivas no mundo e em Portugal.

Sei que este artigo foi algo extenso, peço desculpa, mas teria mesmo que abordar todos estes aspetos que abordei.

Boas apostas, e até ao próximo artigo.

Autor: Ricardo Matos

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *