Apostas Online em Portugal – Aposta Ganha

Cinto está a apertar cada vez mais para o apostador

Hoje trago mais um artigo, mas será mesmo mais uma espécie de súmula de alguns artigos que tenho vindo a escrever nos últimos tempos. A questão central é sem dúvida o aumento da dificuldade que os apostadores hoje em dia sentem perante as casas de apostas. Coloquei à vossa deposição artigos de opinião, sobre alguns temas que vêm ao encontro dessa mesma dificuldade.

O cerco está aperta, os apostadores estão a ser alvos de um forte ajuste perante as casas de apostas.

Falei das odd tardias, dos ajustes das linhas de algumas casas de apostas profissionais por exemplo, e até dei “ideias” de como podemos ser ligeiramente lucrativos nos mercados regulados, e falei em concreto no mercado português, com alguns exemplos.

As casas de apostas estão cada vez mais a tornar as coisas mais complexas para nós. As alternativas estão a ser colocadas e experimentadas por cada apostador mais incrédulo, mas de facto o futuro continua-se a ver negro para nós.

As casas de apostas estão a dificultar cada vez mais o nosso “edge”, muitos são os mecanismos que elas usam para nos “controlar”, do género como escrevi em cima, as odds tardias por exemplo.

Video no nosso Canal do Youtube sobre Cinto está a apertar cada vez mais para o apostador:

Assina o nosso canal de Apostas do Apostaganha

Os limites curtos, o fazer nos de Traders para elas, o estarem sempre um passo à nossa frente, começa a ser doloroso apostar nestes tempos em que as casas de apostas não olham a meios para atingir o seu fim.

Outros queixam-se de limites de stake, odds diminuídas só para aquele apostador, e outros são levados à expulsão da casa, porque um simples levantamento causa uma enorme dor de cabeça.

Se estes não são mais que motivos para estar preocupado, então não sei, devo andar afastado da realidade do mundo das apostas. Se as coisas estão desequilibradas, e neste caso o nosso “sector” está a ser penalizado, deveremos ter ainda mais cuidados com isso.

Depois amigos temos ainda algo que não controlamos, pensem um pouco, são inúmeros os relatos de cada vez mais existirem resultados combinados, por exemplo, a recente operação Oikos em Espanha que envolve ex-jogadores e alguns clubes da La Liga.

Já não nos faltava as odds comidas as stakes minimalistas, agora ainda temos que adivinhar quando é que o jogo é Fixed! Meus amigos isto é justo? Lanço aqui a questão, para que possam refletir sobre isto. Como é que nós apostadores saímos deste panorama tão negativo a meu ver nos dias que correm!

A questão que deixo e o motivo deste artigo, em género de síntese e de complemento aos que anteriormente escrevi, é para uma chamada de atenção a todos vós.

Como é que nós podemos “magoar” as casas de apostas?

Questão engraçada e muitos dizem, simples, é ganhar muito dinheiro a elas, mas sim é verdade e parece simples, mas se elas nos controlam assim, ora em stakes ora em limites nos jogos…como fazemos?

Esta é a reposta mais simples de responder, mas a penso que a verdadeira resposta à questão é muito mais complexa!

Estamos na mão das casas, certo? Tipo controlam-nos as stakes, as odds, colocam-nas em cima do jogo, ou então com liquidez humilhante, o que podemos fazer?

Amigos, não se esqueçam, que na hora de levantar o vosso dinheiro, as coisas complicam-se cada vez mais a cada troca de email, certo? Houve-se e lê-se de tudo, até que cartões de cidadão não válidos e se somos conhecidos daquela ou daquele nome que apresentam.

Limites? Sim acho que já chegamos ao limite dos limites das casas de apostas. Apenas um ligeiro reparo, até porque este artigo é geral, quem está no mercado regulado português, pelo SRIJ, sente outras dificuldades, certo?

Casas de Apostas

Odds minimalistas, mas na hora de levantar esta questão não se passa. Uma mais valia sem dúvida nos dias que correm!

Se não fosse as odds minimalistas, o mercado regulado era a nossa melhor solução, espero que as casas de apostas continuem a fazer o seu trabalho e que possam mudar e ajudar a que a Lei do jogo pela SRIJ mude de vez em Portugal!

Esta questão pode ser uma mais-valia para o nosso futuro como apostadores portugueses! Voltando ao que vinha escrevendo aqui, como então podemos lutar contra as casas…

Vai doer a minha resposta, mas….não apostando? Ora, se não apostarmos o que as casas de apostas fazem? Como sobrevivem se não deixamos lá o nosso dinheiro? Não sobrevivem!

Então entrámos na questão, se não apostamos logo também perdemos a hipótese de ganhar dinheiro certo?

Que celeuma que eu arranjei aqui.. De facto, existe aqui duas vontades contrárias, certo? Então que fazemos? Nada? Parar?

Gostava de vos dar a resposta mais adequada a cada um de vós, mas mesmo para aqueles que ainda tem ganhos, esses é simples, que continuem, e aos outros? Não sei, parem e ajustem os vossos métodos de apostas. Pois cada vez mais têm que ser mais exímios e obrigar-vos a ter cada vez mais alto o vosso ROI.

O que eu faria? Bem, estou apenas a manifestar a minha ideia, o que ando a fazer é apostar cada vez menos. Deixar de apostar nas casas? Sim também é opção, usar brookers ou algo do género poderá ser uma opção, mas depois deixamos de nos preocupar com odds e começamos a preocupar com taxas e taxinhas…certo?

Que celeuma, que complicação, mas volto a dar a minha opinião no seguimento do que vinha escrevendo. Apostar cada vez menos, com mais certezas e com mais indicie de probabilidade de acerto em relação as odds, valor e Fair Line.

Então entrámos na questão, se não apostamos logo também perdemos a hipótese de ganhar dinheiro certo?

Usar métodos estatísticos, aprimora-los, olhar com atenção aos pormenores, permitem-me cada vez mais estar mais vezes de fora do que dentro de uma aposta. Não deixo de apostar, claro porque assim não consigo “ganhar dinheiro”, mas ser mais seletivo e colocar, mas poder na stake.

Usar outras maneiras de apostar, ter consciência que quero deixar de ser refém das casas e passar a ter o controlo das minhas apostas é o mote que vos deixo para poderem desenvolver o vosso próprio conceito.

Apostar na mudança, uma vez ouvi este slogan num partido português e de facto cada vez mais sentido. Mudar de ligas, deixar aquelas que possam ser menos conhecidas para as casas de apostas e conseguirmos mais um “edge” em relação a elas. Mas depois vêm os seguintes comentários:

“não devemos mudar, devemos ser cada vez mais especialistas”

E de facto é verdade, podemos ser cada vez mais especialistas, mas eu tenho notado que eu sou cada vez mais especialista,

mas as casas também o são…naquela liga e naqueles mercados…e agora? Em que é que ficamos?

Em nada, não chegamos a conclusão nenhuma, e o título deste artigo cada vez mais faz mais sentido – “O Cinto está a apertar cada vez mais para o apostador

Se apostamos cada menos e em stakes cada vez mais reforçadas de certezas, limitam-nos as entradas e agora?

Desculpem, amigos tudo que ando aqui a escrever, apenas deixo-vos com perguntas e sem muitas repostas para vos dar! Uma coisa é certa, cada vez mais as casas de apostas gostam de apostadores lúdicos, quem leva a sério isto, e se quer tornar profissional a sua vida de apostador, tende a encurtar a esperança a curto prazo.

Os estratagemas usados pelas casas de apostas para afastar os apostadores lucrativos estão cada vez mais elaboradas e obriga-nos cada mais a estar a mercê das casas. Gostava de ter soluções, respostas rápidas e concretas para que todos possam sair deste colete de forças que estamos a ser levados.

Levados a? A sair a largar as apostas, sobretudo aqueles que só ganham às casas de apostas, e ficarem só aqueles que não sabem como serem lucrativos. As casas de apostas sabem o que querem e como querem jogar este jogo, mas a tendência não está a nosso favor caros apostadores lucrativos.

Dar um próximo passo, saltar para outros voos poderá ser o caminho aqueles que ganham muito e que mês após mês, se debatem com os seus levantamentos. Optar por plataformas profissionais, obter rendimento de outra maneira, mesmo no ramo das apostas online, poderá ser essa a solução!

Profissionais de Apostas

Estarmos mais atentos às oportunidades de negócio desta área, estar sempre à frente do que nos oferecem a nível de plataformas de apostas, brookers, e diria até ponderar a imigração no caso do apostador português, infelizmente.

Não tenho a solução mágica, apenas a preocupação e trago a realidade à discussão desta realidade negra. O nosso trabalho está cada vez mais difícil e a realidade mais nua e crua, este mundo de ganhadores, parece que já não é para nós!

Deixa-me a pensar por vezes, porque é que ainda passamos tanto tempo nas nossas análises, no estudo, na atualização do conhecimento se realmente as casas não nos permitem ser lucrativos. Pensem em soluções em caminhos e em objetivos, para dar a volta a esta questão que cada vez mais nos obriga a ser mais cautelosos, ponderados e sobretudo mais receosos neste mundo.

Penso que lancei um bom tema, hoje, peguei nos alteras dados em artigos anteriores e em género de alerta geral, neste artigo, possa chamar-vos à realidade no mundo das apostas online. Sejam prudentes nas vossas abordagens nas vossas decisões, nas vossas escolhas, e tentem estar sempre bem informados em tudo o que se metem.

Um alerta geral, não sou só eu que tenho esta “ideia”, outros também o sabem, e aproveitam-se disso para vos dar o “engodo” para que possam comentar mais um erro no vosso caminho! Vamos à luta, camaradas, nunca ninguém disse que isto iria ser fácil, pois não?

Um abraço, guerreiros! Boas apostas e boa sorte!

12 Comentários

  1. Avatar

    Flavio rodrigues

    22 de Julho de 2019 at 11:15

    Queria saber calcular uma odds pra ver se bate o valor da odds da casa tem como me mandar pra eu aprender fazer esse calculos

  2. Avatar

    Cristiano dos Santos Ramos

    22 de Julho de 2019 at 15:27

    Sou do Brasil e comecei agora a apostar na betfair…essa faz parte do seu comentário ?

    • Avatar

      Spinosa

      22 de Julho de 2019 at 17:57

      Não porque a Betfair é uma bolsa de apostas não uma casa de apostas daí não incluir na minha ideia!

  3. Avatar

    Dax

    22 de Julho de 2019 at 16:18

    Com todo o respeito, falaste, falaste, e não disseste absolutamente nada que qualquer apostador já não saiba,… é que absolutamente nada mesmo…

    • Avatar

      Spinosa

      22 de Julho de 2019 at 17:59

      Não falei, não escrevi pelos vistos algo que já sabias, é dos muitos sobre dotados que deveria então explicar mais sobre quem sabe tanto! Um Abraço,volta sempre!

  4. Avatar

    Robson

    23 de Julho de 2019 at 11:57

    Obrigado gostei do comentário tava precisando disso

  5. Avatar

    lufigoco Luis

    23 de Julho de 2019 at 15:30

    Dax burro não é aquele que não sabe mas sim aquele que não quer aprender. Se já sabes tudo ou tanto então não precisas de aceder ao Aposta Ganha. Já agora, e já que sabes tanto partilha o teu conhecimento com os outros, e não critiques quem o faça. Um abraço e volta para APRENDER.

  6. Avatar

    Luis Vieira

    23 de Julho de 2019 at 16:09

    Ricardo, obrigado por mais este artigo! Nestas coisas gosto sempre de pensar no lado contrário: estarão as casas a ser assim tão lucrativas? A sensação que tenho é que estamos numa fase em que há cada vez mais apostadores lucrativos (e a tentar apostar pesado… e a venderem serviço de Tips…), logo as casas têm de entrar em modo se sobrevivência. Do meu ponto de vista, os apostadores estão tão mais educados e informados que as casas têm de procurar modelos de negócio alternativos para poderem sobreviver. Como sempre, julgo que estamos em fase de transição e o mercado terá de estabilizar num ponto em que possam coexistir casas e apostadores lucrativos… Não penso que possa haver um mercado só para recreativos, o ser humano é por definição um apostador, logo mais cedo ou mais tarde, serão fornecidos aos clientes deste negócio os serviços que procuramos. Até lá, como diz o Rodrigo, temos de sobreviver!… Abraço

    • Avatar

      Spinosa

      25 de Julho de 2019 at 21:13

      Não questiono “lados” mas sim o teor deste artigo, sim também tens razão no teu ponto de vista. Um dia podemos “conviver” todos? Espero que sim, senão que ando “eu” aqui a fazer? Abraço e obrigado pela tua partilha também!

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *