Dificilmente a configuração poderia ser mais favorável ao reencontro de Lebron James com a primeira “franchise” que o levou a conquistar um anel na NBA. Depois de disputados os primeiros quatro jogos nas finais de conferência, Los Angeles Lakers e Miami Heat estão a apenas uma vitória cada um de marcar encontro para a grande decisão das finais de 2019/20.

LAKERS COM FAVORITISMO ENORME…

À medida que a temporada regular foi avançando – e ainda na reta inicial dos play-offs – os Los Angeles Lakers estavam desde cedo no top-3 de favoritos das casas de apostas para vencerem o título de 2019/20, mas com a eliminação precoce (face ao esperado) de Milwaukee Bucks e Los Angeles Clippers é a equipa de Frank Vogel a gozar de reforçado estatuto de favorita.

Na Betano, a vitória dos Lakers nas finais paga a simples 1.20, com os Miami Heat a perfilarem-se como o mais próximo candidato (4.00) de surpreender.

Tudo porque, após os primeiros quatro jogos das finais da Conferência Oeste, o figurino que tem em Lebron James e Anthony Davis as suas principais estrelas conseguiu uma vantagem de 3-1.

A um jogo 1 vencido com enorme superioridade e tranquilidade (126-114), os Lakers viram seguir-se um jogo 2 muito mais difícil, com Davis a vestir o papel de herói a escassos milésimos de segundo para o disparo sonoro da buzina (105-103).

Seguiu-se aquela que terá sido, muito provavelmente, a pior exibição dos Lakers nestes play-offs e que acabou por culminar no 2-1, concluído o jogo 3 (106-114). Na última madrugada, os Lakers tiveram de lutar até perto do fim, mas estiveram toda a partida no comando das operações (114-108).

Os destaques tático-individuais vão para as exibições de grande categoria de Jamal Murray nas duas últimas partidas, ao passo que Vogel poderá ter encontrado o antídoto perfeito para limitar a ação ofensiva de Nikola Jokic, depois de lançar Dwight Howard no cinco inicial do jogo 4 e o ex-“Best Defensive Player” da NBA ter respondido com uma exibição como há muito não se via da sua parte (12P/11R).

LAKERS COM FAVORITISMO ENORME…

 

Lebron James tem oscilado entre noites de maior protagonismo (anotou triplo-duplo no jogo 3, sem que isso fosse suficiente para levar os Lakers à vitória, e esteve muito próximo de repetir a proeza no jogo 4) e outras em que, sem deixar de ser muito importante, partilha com Davis (apenas em um dos quatro jogos não passou da marca dos 30 pontos marcados… com 27 apontados) o estrelato.

…MAS OS NUGGETS ACREDITAM QUE NÃO HAVERÁ DUAS SEM TRÊS

Apesar de a equipa californiana estar a uma vitória das finais da NBA, crença é coisa que não falta nesta equipa de Mike Malone.

Após a derrota dos Denver Nuggets no jogo 1, o treinador até brincou com o facto de a sua equipa ter recuperado de 1-3 nas duas eliminatórias anteriores, referindo que teria pedido à liga para iniciar a série com desvantagem de 1-3… o que agora sucede.

A forma como a equipa tem conseguido manter-se competitiva nesta série com os Lakers, apesar de ter perdido três dos quatro jogos realizados, permite aos Nuggets continuar a acreditar no que seria escrever história muito difícil de repetir por muitos e bons anos por quem quer que aparecesse.

Para tal, Nikola Jokic terá de voltar a um nível que já mostrou nestes play-offs e, em particular, contra os Lakers. Já a Jamal Murray bastará continuar na senda do que tem feito nos dois últimos jogos.

Com uma confiança extrema e sem qualquer receio de assumir as rédeas em momentos-chave dos jogos, Murray está feito um senhor jogador, com uma classe tremenda e laivos – passe o possível exagero – de Michael Jordan.

Injusto seria terminar a breve análise ao que tem sido a série entre Lakers e Nuggets e não mencionar o bom contributo de jogadores como Jerami Grant e Michael Porter Jr.

MIAMI HEAT IMPARÁVEIS E COM O MELHOR REGISTO DOS PLAY-OFFS

11-2! É este o record da equipa orientada por Erik Spoelstra desde a 1.ª ronda dos play-offs da Conferência Este. Absolutamente incrível o que os Heat têm conseguido fazer, até porque estão, tal como os Lakers a Oeste, a apenas uma vitória de consumar a qualificação para as finais da NBA, contra os outrora favoritos Boston Celtics.

Com uma capacidade notável de lidar com a adversidade, resignação individual e coletiva em abundância e um conjunto com vários jogadores jovens mas que parecem ter anos e anos de experiência (Tyler Herro à cabeça), ainda que liderado pelo subvalorizado Jimmy Butler, os Heat podem bem sonhar em voltar a surpreender na condição de underdog, assim confirmem a presença nas finais da liga.

A abrir as finais da Conferência Este, os Heat conseguiram vencer o jogo 1 (117-114) e o jogo 2 (106-102), em duas partidas bastante parecidas, desde logo pelo mérito que a equipa de Miami teve em consegui recuperar de desvantagens próximas da casa das duas dezenas.

À derrota sem espinhas no jogo 3 (106-117), Miami respondeu com uma vitória tão surpreendente quanto justa no jogo 4 (112-109), dando um passo de gigante para o objetivo, não só porque só está a faltar uma vitória para lá chegar, mas pela machadada psicológica que conseguiram dar aos Celtics.

Uma nota para o rendimento absolutamente incrível de Tyler Herro, um jovem de apenas 20 anos cuja especialidade é o tiro exterior, mas que tem sido uma arma de enorme qualidade utilizada por Spoelstra vinda do banco (apesar de ter tido quase sempre mais de 30’ de utilização nestes play-offs).

Em época de estreia na NBA, o rookie tem atingido de forma extremamente rápida um nível distinto de maturação do seu basquetebol e, dúvidas existam, bastará dar um “replay” no jogo 4 destas finais do Este, em que Herro bateu o recorde de carreira em pontos marcados (37), com 14 lançamentos de campo concretizados em 21 tentativas (5-10 3Pt).

COM A CORDA NO PESCOÇO, COMO É QUE BOSTON PODERÁ RECUPERAR PARA 4-3?

Apesar de caminhar para o jogo 5 com desvantagem de 1-3, os Boston Celtics entraram nestas finais de conferência com o estatuto de favoritos. A sensação que ficou dos quatro primeiros jogos é de que, realmente, a equipa individualmente é superior aos Heat, mas coletivamente ainda está longe da capacidade implementada por Spoelstra a Miami.

Depois das fragilidades que os Celtics têm na luta do jogo interior terem sido expostas no jogo 1 e no jogo 2, Brad Stevens conseguiu mascarar muito bem essa desvantagem no jogo 3, forçando os Heat a uma fraca percentagem de eficácia no lançamento exterior, que acabou por ser a chave para o desfecho que culminou com o 2-1 na série.

No jogo 4, que os Celtics perderam por 109-112, dificilmente a equipa poderia ter jogado pior.

A uma defesa à zona incompetente, que custou muitos pontos sofridos, sobretudo no último período, a equipa de Boston juntou a terceira pior marca (19) de turnovers cometidos nestes play-offs, uma lacuna que se mantém desde a época regular e que necessitará ser corrigida o mais rapidamente possível, sob pena de redundar na eliminação.

Jaylen Brown tem sido, porventura, o elemento mais regular dos Celtics nestas finais, mas terá de ser Jayson Tatum a carregar mais a equipa às costas desde cedo, depois de ter tido uma primeira parte para esquecer na última disputa.

COM A CORDA NO PESCOÇO, COMO É QUE BOSTON PODERÁ RECUPERAR PARA 4-3?

O regresso de Gordon Hayward foi uma excelente notícia para os fãs de Boston e para o treinador Stevens, mas a verdade é que o seu impacto não se fez sentir como necessário no jogo 4.

Outra situação que se torna complicada de perceber é a não-aposta de Brad Stevens em Enes Kanter com maior regularidade.

Apesar de não dar muitas garantias defensivamente (Theis não ficam assim tão à frente), o poste turco consegue render de forma muito aceitável no ataque sempre que joga e é a alternativa mais credível para a posição a Daniel Theis, que tem visto a sua ação bastante limitada pelo número de faltas que habitualmente comete.

À entrada desta próxima madrugada, de sexta-feira para sábado, os Celtics procuram evitar a humilhação de uma derrota por 4-1 nas finais do Este, num jogo em que Miami poderá consumar a qualificação para as ansiadas finais, onde não marca presença desde 2014, quando perderam para os Spurs de Popovich.

Na Betano, a vitória dos Celtics (ML) cota a 1.63 e novo triunfo dos Heat paga 2.20 por cada euro apostado.

 

Gostaste do nosso conteúdo?
Então regista-te no nosso canal do Youtube e assiste aos nosso Podcasts de Apostas. Entra nas nossas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter. Ainda tens o nosso Chat no Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Casas de Apostas
Solverde Apostas

Bónus de Boas Vindas para o primeiro depósito de até um máximo de 100 euros.

Luckia

Não tem bónus de Boas vindas para a postas desportivas online.

Nossa Aposta

Não tem bónus de Boas vindas para a postas desportivas online.

Betclic

Bónus de Boas Vindas para o primeiro depósito de 50% até um máximo de 50 euros.

Bet.pt

Bónus de Boas Vindas para o primeiro depósito de 50% até um máximo de 50 euros.

Betway

Bónus de Boas Vindas para o primeiro depósito de 100% até um máximo de 100 euros.

ESC Online

Freebet de 10€ mais 100% de bónus sobre o valor do seu depósito até um máximo de 250 de bónus.

Betano

Bónus de Boas Vindas para o primeiro depósito de 50% até um máximo de 50 euros.