Na sequência de uma queixa feita pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) contra a Sportingbet, a IOE e o Sporting de Braga, o Tribunal de Justiça da União Europeia anunciou, na última quinta-feira, que o monopólio do Estado Português nas questões relacionadas com os jogos de azar não abrange o jogo online. Existe, legalmente, uma supervisão da União Europeia que terá sido fintada.

SANTA CASA PODE PERDER O COMANDO DAS OPERAÇÕES NO JOGO ONLINE

Em causa estava uma ação executada pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa contra a Sportingbet e a Internet Opportunity Entertainment Limited (IOE), devido à criação por parte destas entidades de um site de jogos de fortuna ou azar, ao mesmo tempo em que a exploração da ação de jogo em Portugal está ao abrigo da Santa Casa.

No seguimento de um longo processo com recursos e decisões judiciais que foram passando de instância para instância, o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) decidiu que a ação de controlo da Santa Casa não integra a exploração do jogo online, devido a um incumprimento de uma obrigação de comunicação à Comissão Europeia.

Constitui uma “regra técnica” o facto de ter sido o Estado Português a atribuir, de forma exclusiva e independente, a concessão à Santa Casa.

De acordo com o TJUE, tratando-se da criação de uma regra técnica, esta tem sempre de ser comunicada à Comissão Europeia, para que se possa levar a cabo uma ação de fiscalização.

Santa Casa Pode Perder O Comando Das Operações No Jogo Online

O incumprimento da obrigação referida representa um vício processual, do qual resulta a punição da inaplicabilidade das regras.

Uma situação que viabiliza a ação dos particulares, no sentido de poderem invocar a inoponibilidade perante um juiz nacional, a quem compete considerar a invalidação da “regra técnica”, que não foi alinhavada em conformidade com a Diretiva Europeia, segundo o acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça da União Europeia.

PROCESSO CONTRA O BRAGA E A SPORTINGBET NA ORIGEM

O processo teve início na sequência de uma ação levada a cabo pela Santa Casa da Misericórdia, em medidas distintas, contra o Sporting Clube de Braga, o Sporting Clube de Braga – Futebol SAD, a Internet Opportunity Entertainment Limited e a empresa que detém uma das casas de apostas de nome Sportingbet.

Em causa estava a celebração de um contrato de patrocínio do clube minhoto com as referidas empresas, para as épocas de 2006/2007 e 2007/2008.

A intenção da Santa Casa tinha como objetivo a nulidade do contrato de publicidade e a declaração da ilegalidade da atividade da Sportingbet em Portugal e a publicidade desta ao jogo on-line.

Como fim, estava prevista a condenação no pagamento de uma indemnização de acordo com os prejuízos causados pela ilicitude das atividades anteriormente apontadas.

Num primeiro momento, o órgão jurisdicional de primeira instância optou por declarar a nulidade dos contratos de patrocínio e a ilegalidade da atividade da IOE e da Sportingbet, bem como a condenação à abstenção da atividade destas em território nacional, por qualquer de forma relacionada com jogos de lotarias e apostas.

processo contra o braga e a sportingbet na origem

O Tribunal da Relação de Guimarães negou o recurso, acabando o órgão jurisdicional de recurso por decidir mesmo pelo caráter ilícito da atividade da IOE e da Sportingbet.

Não satisfeitas, ambas as empresas optaram, então, por recorrer para o Supremo Tribunal de Justiça, de modo a que este enviasse as questões prejudiciais ao Tribunal de Justiça da União Europeia, acabando este último por considerar nula a primeira decisão, dando razão à referida casa de apostas.

AUMENTO DA COMPETITIVIDADE NO MUNDO DAS APOSTAS ONLINE À VISTA

Deverão estar para breve cenas dos próximos capítulos, até porque em matéria de justiça as questões não costumam ficar resolvidas de um dia para o outro. Bem pelo contrário.

Ainda assim, a confirmar-se a possibilidade de mais empresas poderem vir a operar no ramo online das apostas desportivas, essa seria sempre uma excelente notícia para a comunidade apostadora, que tanto sofre, ficando sujeita a um trabalho muitas vezes inglório pela submissão ao mercado regulado nacional e às suas premissas legislativas.

É claro que este acórdão do Tribunal de Justiça da União Europeia fere os intentos do Estado Português e da Santa Casa da Misercórdia, que detinham, até ver, o controlo dos jogos de fortuna e azar online.

aumento da competitividade no mundo das apostas online à vista

A confirmar-se, a breve trecho, a (re)entrada de outras empresas no ramo de apostas desportivas em Portugal, as receitas financeiras garantidas pela popularização, por exemplo, do Placard poderão começar a cair de forma considerável.

Uma situação que surge como uma espécie de luz ao fundo do túnel para o apostador português, que poderá estar em vias de ver a sua dinâmica de trabalho poder sair beneficiada pelo aumento da competitividade no mercado regulado nacional.

 

Gostaste do nosso conteúdo?
Então regista-te no nosso canal do Youtube e assiste aos nosso Podcasts de Apostas. Entra nas nossas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter. Ainda tens o nosso Chat no Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Casas de Apostas
3,8 rating
10€ Gráris mais 200% de bónus sobre o valor do seu depósito até um máximo de 50 de euros.
3,5 rating
5€ Grátis com o Código Promocional: apostaga
mais Bónus no primeiro depósito até um máximo de 100 euros.
3,3 rating
Não tem bónus de Boas vindas para a postas desportivas online.
3,3 rating
Não tem bónus de Boas vindas para a postas desportivas online.
3,5 rating
Bónus de Boas Vindas para o primeiro depósito aposta sem risco até 50 euros.
3,3 rating
Bónus de Boas Vindas para o primeiro depósito de 50% até um máximo de 50 euros.
4,0 rating
Bónus de Boas Vindas para o primeiro depósito de 100% até um máximo de 100 euros.
4,3 rating
Freebet de 10€ mais 100% de bónus sobre o valor do seu depósito até um máximo de 250 de bónus.
4,5 rating
Aposta de 5€ Grátis com o Código Promocional: APOSTAGANHA1 mais 50% de Bonus até um máximo de 50 euros.