Prognósticos para Apostas Desportivas Online – Aposta Ganha

Prognostico Uruguai vs França

Uruguai vs França – Mundial 2018: A seleção uruguaia conseguiu o apuramento para estes quartos-de-final após ter eliminado Portugal

Na ronda anterior, com vitória por 2-1. Na fase de grupos, tinham conseguido outras três vitórias, pelo que chega aqui com pleno de triunfos,

num saldo total de 7 golos marcados e apenas 1 sofrido em 4 jogos. No grupo A, enfrentou Egito (1-0), Arábia Saudita (1-0) e Rússia (3-0).

Na jornada inaugural, o Uruguai sentiu algumas dificuldades para bater uma seleção egípcia que acabaria por ser das poucas a sair da Rússia sem qualquer ponto somado.

Muito por culpa do desperdício de algumas oportunidades que criaram, especialmente com Luis Suárez em foco no capítulo da finalização,

já que defensivamente estiveram razoavelmente bem e não permitiram grandes chances a um Egito que não teve Salah.

O golo da vitória acabou por chegar na sequência de uma bola parada, em cima do minuto 90, pelo central Giménez, repondo alguma justiça no marcador e catapultando o Uruguai para um bom arranque.

Na segunda ronda, uma exibição demasiado q.b. contra uma Arábia Saudita sedenta por mudar a imagem deixada após a goleada de 5-0 sofrida com a Rússia na estreia.

Nesse jogo, o Uruguai venceu por 1-0, com novo golo após bola parada, desta feita um canto, com Suárez a redimir-se do desperdício do primeiro jogo e a aproveitar sem marcação uma falha defensiva dos sauditas.

A ganhar por 1-0 a meio da primeira parte, o Uruguai não forçou minimamente o 2-0, limitou-se a gerir a vantagem, sem deixar, é verdade, a Arábia ficar perto do 1-1. Ainda assim, exibição cinzenta, claramente intencional por parte de Tabarez, a jogar para os mínimos.

Na terceira jornada da fase de grupos, vitória por 3-0 à anfitriã Rússia, com a melhor exibição no Mundial até então.

Ainda assim, foi um jogo com contornos especiais. Suárez adiantou, de livre direto, a sua equipa logo aos 10 minutos, aos 23′ o Uruguai chegou ao 2-0 num lance algo fortuito,

em que a FIFA acabou por atribuir auto-golo a Cheryshev. Para ajudar à festa, aos 36 minutos o defesa Smolnikov foi expulso e deixou os russos a perder por 2-0 e em inferioridade numérica. O Uruguai geriu a vantagem,

não permitiu à Rússia grandes ocasiões e acabou por fixar o 3-0 final já nos descontos, novamente num golo que nasce de um pontapé de canto, com Cavani a estrear-se a marcar.

Nos oitavos-de-final, o craque do PSG deu o triunfo ao Uruguai, num jogo repartido e equilibrado na primeira parte e com grande domínio português na segunda.

No entanto, ficou novamente em evidência a solidez defensiva de um conjunto que prioriza o resultado, já que Portugal teve muita bola e presença no meio-campo uruguaio,

mas criou muito poucas oportunidades de golo, havendo, de destaque, apenas o golo de Pepe (ironia do destino,

o primeiro golo que o Uruguai sofreu no Mundial foi de bola parada) e o perigo criado na jogada imediatamente antes do canto que dá o 1-1 e noutro lance em que Bernardo Silva com Muslera fora da baliza atirou por cima.

Além da solidez defensiva, o Uruguai mostrou que com a categoria de Suárez e Cavani não precisa de criar muito para marcar, tendo mesmo feito apenas 3 remates à baliza em todo o jogo e marcado 2 golos, com Cavani a assinar os dois,

numa falha de marcação da defesa portuguesa no primeiro e a aproveitar mau posicionamento de Patrício no 2-1, numa jogada com três toques, onde o primeiro é do guarda-redes Muslera.

Para esta partida dos quartos-de-final, Edison Cavani está em dúvida, ele que saiu lesionado do jogo com Portugal aos 74 minutos.

A França afigura-se como um dos favoritos resistentes num Mundial com muitas surpresas e onde já muitos tubarões foram para casa, à cabeça a campeã em título Alemanha.

A presença nestes “quartos”, deve-se ao triunfo perante a Argentina, por 4-3, nos “oitavos”, depois de uma fase de grupos de serviços mínimos, com 7 pontos, conquistados contra a Austrália (2-1), o Peru (1-0) e a Dinamarca (0-0).

No jogo com os australianos, os franceses venceram mas deixaram a desejar. Com um futebol lento, previsível, pouco intenso, acabaram por marcar de penalty e num auto-golo.

A Austrália deixou uma boa imagem e também só marcou por uma infantilidade de Umtiti, que tocou a bola com a mão dentro da sua grande área, oferecendo a Jedinak a possibilidade de, na altura,

fazer o 1-1 pouco tempo depois do golo de Griezmann que deixou a França em vantagem (58′). O lance do auto-golo de Behich, a meias com Pogba, veio no minuto 80, com a França a chegar ao 2-1 sem forçar muito para ganhar.

Na segunda jornada, triunfo muito sofrido contra um Peru dinâmico, atrevido e ofensivo.

Na primeira parte, a França praticou o melhor futebol da sua fase de grupos, marcou um e poderia ter marcado mais e não permitiu aos peruanos a criação de muitas oportunidades.

No segundo tempo, Deschamps baixou as suas linhas, viu o Peru encostar a sua equipa ao último terço,

sem capacidade sequer para ferir no contra-ataque, ora por não conseguir sair, ora por desperdiçar as rarissimas vezes em que conseguiram chegar com perigo à baliza de Gallese.

Acabariam por ganhar, fruto do golo de Mbappé na primeira parte, mas com muito suor à mistura.

À distância de um empate para confirmar o 1.º lugar do grupo, frente a uma Dinamarca que também só precisava do ponto para carimbar o 2.º lugar e consequente apuramento,

a França contribuiu para o que muitos apontam como o pior jogo do Mundial 2018 até ao momento. O empate sem golos, por sinal o único até ao momento em mais de 40 jogos efetuados, fala por si.

Nos oitavos-de-final, dominaram a Argentina e foram melhores do que o resultado de 4-3 revela. Na primeira parte, conseguiram colocar em sobressalto a defesa argentina em algumas ocasiões,

não permitindo a criação de nenhuma oportunidade aos argentinos, que chegariam ao intervalo empatados fruto de um grande golo de Di María, num claro gesto de inspiração individual.

Apesar de terem ficado em desvantagem no início da segunda parte, a França mostrou grande personalidade e viria a virar de 1-2 para 4-2 no espaço de 20 minutos.

O 4-3 surgiu já no penúltimo minuto da compensação, com Agüero a cabecear uma excelente bola de Messi a estragar o handicap francês e a relançar hipoteticamente a Argentina na eliminatória, algo que não conseguiram.

Nesse jogo, a França voltou a entusiasmar, à imagem do que fez na primeira parte do jogo do Peru, revelando qualidade na gestão do resultado, mas também que pode ser muito perigosa quando decide acelerar o jogo e, especialmente, em transição.

O médio Blaise Matuidi é a única baixa confirmada, depois de ter visto cartão amarelo no jogo contra a Argentina, estando em risco de falhar o jogo dos “quartos”.

Baixa de peso, que contribui e de que maneira para o equilíbrio no meio-campo francês, quer a defender, quer a gerir a construção recuada do jogo da França.

Prognóstico Uruguai vs França:

A nível tático, este Uruguai – França deverá ser um dos melhores jogos deste Mundial. Para quem gosta de emoção e futebol espetáculo, nem tanto.

Com a capacidade que os gauleses têm de ferir as defesas contrárias pela velocidade de Mbappé e Griezmann e a matreirice deste Uruguai,

não é difícil prever uma França com mais bola mas com dificuldades para criar situações de golo e penetrar com efetividade no último terço do terreno.

Tabarez vai jogar à imagem do que fez contra Portugal na segunda parte, vai dar bola aos franceses, porque de outra forma arrisca-se a sofrer e logo agora que Mbappé está com os níveis de confiança reforçados, depois do bis e excelente exibição frente à Argentina.

Infelizmente para os franceses, o jovem craque do PSG não vai ter os mesmos espaços e vai sofrer com Godín para marcar. Prevejo uma primeira parte muito amarrada e nem excluo a possibilidade de prolongamento.

No entanto, acredito que com o passar do tempo os franceses vão conseguir criar mais perigo, até porque correr sem bola cansa mais do que com bola e o Uruguai, à medida que o jogo se aproxime do fim, eventualmente irá acusar mais desgaste físico.

A França é superior, a nível técnico e tático, é certo que Matuidi é indispensável, mas creio que Tolisso vai substituir bem o jogador da Juventus,

e esta estratégia defensiva do Uruguai não vai resultar sempre. Se Cavani não for a jogo, dificilmente o Uruguai marca neste jogo, e mesmo que alinhe de início acredito

que a França é mais capaz e deve conseguir ganhar nos 90 minutos, até porque levar o jogo a prolongamento é arriscar os penaltys e aí, já se sabe, tudo pode acontecer.

Prognóstico para Apostas Quota Un. Casa Estado
Empate HT/França FT
4.10
5
ESC-Online perdida

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *