Prognósticos para Apostas Desportivas Online - Aposta Ganha

Prognostico Uruguai vs Portugal

mundial 2018 russia

Uruguai vs Portugal – Mundial 2018: Chegou o dia D, para Portugal e Uruguai

O dia em que terão de provar muito mais do que fizeram até agora, se quiserem seguir para aos quartos de final.

Podemos dizer que ambas equipas se esconderam nos três primeiros jogos, e as suas pobres exibições foram chegando para as encomendas.

Mas, chegada a hora do “mata-mata” é hora de aparecer e se afirmarem, ou ficam pelo caminho.

Um jogo que está a dividir o mundo do futebol, relativamente a quem seguirá para os quartos de final, as próprias casas de apostas estão na “corda bamba” e não sabem para que lado caem.

E não é para menos, tendo em conta o facto destas duas seleções terem muito mais em comum do que parece à primeira vista, senão veja:

Uruguai Fatores chave

1) Temos a tendência de olhar e focar muito pelo que se passa dentro das 4 linhas, algo que é perfeitamente natural, tendo em conta que é o habitat natural dos principais protagonistas, os jogadores.

Mas, a alma desta seleção começa um pouco distante, ali algures no banco de suplentes.

Óscar Tabaréz é sinal de resiliência, em primeiro pela forma como lida e contorna a sua doença neurológica, e depois como esse exemplo passa para os jogadores, acreditando que tudo é possível.

Uma doença que o limita parcialmente, mas não o impede de fazer o seu trabalho dentro da seleção Uruguai. Já como jogador tinha essa característica, e continua a tê-la enfrentando todas as adversidades.

São 12 anos à frente do Uruguai, é uma figura incontornável no futebol deste país, e consegue de forma magistral unir jogadores e toda uma nação. Fica-lhe bem a alcunha de “El Maestro”.

2) Partimos agora para dentro das 4 linhas para conhecer melhor esta seleção e perceber que argumentos terá para ultrapassar Portugal.

O primeiro é a alma que estes jogadores Uruguaios têm por natureza. São jogadores de muita fibra, que nunca viram a cara à luta, intensos e com grande capacidade de trabalho individual.

A tudo isto juntando a capacidade que El Maestro lhes incute, em acreditarem, mesmo nos momentos de maior adversidade, temos uma seleção com elevados índices de competitividade.

3) Experiência – O núcleo duro desta seleção é formada por jogadores extremamente experientes, e nas posições onde esse quesito se torna mais fundamental.

Muslera (guarda-redes) tem 32 anos, tal como o comandante da defesa Godín, já o polivalente defesa Cáceres (31), Coates (27).

No meio campo Sánchez é um histórico e tem 33 anos, e a dupla de atacantes Cavani e Suárez (31). Na experiência e competitividade, não é fácil ganhar o corredor central a esta seleção.

4) Classe – Muslera é um guarda-redes excelente entre os postes, agíl, felino e que dá muita segurança à sua defesa. No entanto peca, por vezes, no excesso de confiança. Godín é sem dúvida um dos melhores defesas centrais do futebol mundial.

Possante, experiente, com um sentido posicional irrepreensível, e exímio no jogo áreo, que o torna determinante, nas bolas paradas ofensivas.

O facto de poder ter o seu parceiro de clube, aqui na seleção, faz desta dupla uma das mais entrosadas neste mundial 2018.

Torreira, tem apenas 1.68m e 22 anos, e apenas por isso não tenha tido tantos minutos nesta seleção onde a experiência e o estatuto contam muito.

Mas é um jogador cheio de talento, indiscutível na Sampdoria, é comparável a Verrati, e isso mostra bem a capacidade deste jogador que entrou no último jogo, e fez aquilo que melhor sabe, coberturas, e uma saída de bola sempre com qualidade.

Bentancur é uma das maiores promessas do futebol uruguaio e já um dos mais promissores na sua posição.

A visão de jogo e a criatividade que têm são o garante da maior fluidez ofensiva dos Uruguaios, e Cavani e Suárez crescem muito, com este talento nas costas.

Por fim falo de Suárez e Cavani, uma dupla que juntam pura classe na finalização, movimentação, instinto, mobilidade e até poder no jogo aéreo.

Estes são os principais atributos da seleção Uruguaia e que podem trazer muitos problemas à seleção das quinas. Mas, tudo isto junto, que jogo podemos esperar do Uruguai?

O Uruguai é uma seleção que joga muito na expectativa.

Assenta muito o seu jogo na enorme capacidade defensiva que tem, e isso permite-lhe esperar pelo adversário com conforto e relativa segurança.

Assim, o pragmatismo é algo enraizado nesta seleção que não precisa de muitas oportunidades para marcar golos. Uma das suas especialidades são os lances de bola parada.

Se o livre for direto, há dois especialistas, Cavani e Suárez que batem em jeito, ou em força, rasteiro ou por cima da barreira, não faltam opções.

No caso de livres com cruzamento para a área, aqui Godín e Giménez, ou Coates são protagonistas, para além de Cavani e Suárez.

Os dois centrais atacam a primeira bola, e Cavani, mas sobretudo Suárez é exímio no aproveitamento das segundas bolas. A seleção Portuguesa não terá outra alternativa a não ser uma concentração absoluta neste tipo de lances.

O Uruguai jogou no 4-4-2 clássico nos dois primeiros jogos, com Vecino e Betancur no miolo, sendo mesmo indiscutíveis.

Nas alas, Arrascaeta e Nández fecharam o flanco, porque essa é a principal função, uma vez que o ataque pelo centro é preferencial.

No segundo jogo o sistema foi o mesmo, apenas trocou os homens das alas, Arrascaeta e Nández, por C. Rodríguez e Sánchez, uma postura ainda mais conservadora.

No entanto foi visível o grande distanciamento de Bentancur dos dois homens da frente. O Uruguai não teve ligação entre meio campo e ataque, e isso foi corrigido no 3º jogo.

El Maestro desenhou um 4-3-1-2, onde este (1) foi precisamente a aproximação de Bentancur aos dois homens da frente. Um sistema feito para dar maior fluidez.

Além disso, com um meio campo composto por homens que tratam bem a bola, com Torreira, Vecino e Nández. A comunicação entre setores foi o que mais se notou, com um jogo mais ligado, e com jogadores muito mais associativos, principalmente com bola.

Estes três jogadores trabalharam e deram suporte para Bentancur soltar o seu talento. Este jogador é fundamental e o jogo do Uruguai ressente-se quando ele está mais atrasado. Mais uma vez ficou patente a enorme cultura tática desta seleção.

Námdez que jogou sobre a ala no primeiro jogo, jogou aqui como interior direito, podendo desempenhar a função de médio centro ou ala, com a mesma eficácia.

Mas, não é o único, também Cáceres, Torreira, Sánchez, e C. Rodríguez têm essa capacidade.

Assim, acredito que o Uruguai seria muito mais perigoso jogando no 4-3-2-1, mas o conservadorismo de Tabárez poderá fazê-lo regressar ao 4-4-2, com a principal preocupação no fecho dos espaços.

Mas, mesmo que não possa iniciar com este sistema, durante o jogo poderá adoptá-lo.

Portugal:

Escrevi o guia apostaganha para a seleção Portuguesa, que está disponível no portal, e por isso serei mais breve na análise à seleção das quinas.

As similitudes, entre as duas seleções começam a partir do banco, salvaguardando as devidas proporções. Aqui não é a doença, e a resiliência os motivos que os aproximam, mas sim a capacidade de liderança.

Com Fernando Santos sabemos com o que podemos contar. Deu uma prova disso no último Europeu, onde conduziu a seleção lusa ao momento mais alto da sua história.

A forma como Fernando Santos “agarra” o grupo, gere os jogadores, com muita disciplina, mas também com muito companheirismo.

Isso cai bem entre os jogadores, e hoje, Fernando Santos é consensual a nação portuguesa, e até já lhe fizeram a pergunta se falou com a esposa para dar uma data de chegada…

Isso diz muito da crença que vai nas hostes lusas.

Experiência – Aqui Portugal não perde para o Uruguai. Com uma espinha dorsal com Rui Patrício, Pepe (35), Fonte (34), Moutinho (31), Quaresma (34) e Ronaldo (33), não será pela falta deste requisito que Portugal falhará neste jogo.

Capacidade de Liderança em campo – Ronaldo é muito mais que um extraordinário jogador, é um verdadeiro líder, e uma extensão do treinador, dentro das 4 linhas. Com ele, todos acreditam que é possível alcançar a glória.

Chega a ser contagiante, a forma como apenas a sua presença pode significar tanto, nas aspirações da seleção lusa.

Cristiano Ronaldo e companheiros de aventura – Aqui claramente destacar Ronaldo e a “dependência” mais ou menos acentuada que Portugal tem deste jogador, e que é normal, tal como a Argentina depende muito de Messi, ou a Inglaterra de Harry Kane, ou o Brasil de Neymar.

Os grandes jogadores são mesmo assim são decisivos, e veja-se que Portugal marcou 5 jogos na fase de grupos, 4 foram de Ronaldo.

É o jogador que pode mais facilmente decidir, mas não esquecer o jogador que por norma faz crescer ainda mais o craque madeirense:

Ricardo Quaresma alimenta muito Ronaldo, mas também tem a sua famosa trivela, como vimos no último jogo. É outro jogador que pode desbloquear o jogo a qualquer momento.

Há ainda Bernardo Silva que ainda não apareceu neste mundial, mas tem sido muito refém pelo facto de Portugal ter tido muito pouca bola. Não esquecer André Silva que foi um auxílio importante a Ronaldo, na fase de apuramento.

Como poderá jogar Portugal?

Tal como há conservadorismo no lado uruguaio, tal também existe da parte de Fernando Santos. Além disso, também o selecionador português privilegia o 4-4-2, e isso poderá contribuir, ainda mais para um jogo perfeitamente encaixado.

O guarda redes de defesa têm sido praticamente intocáveis, desde que disponíveis. As dúvidas surgem no meio campo, onde Fernando Santos já experimentou quase tudo.

William é a âncora da equipa e Moutinho um elemento híbrido e que alia capacidade técnica e tática de uma forma muito homogénea.

É o complemento ideal para William Carvalho, e com ele Portugal tem uma melhor fase de construção.

O problema reside nas alas, onde quer Bruno Fernandes, ou mesmo João Mário são jogadores adaptados.

É verdade que no caso do jogador do West Ham, está habituado a jogar nessa posição, o mesmo não acontece com Bruno Fernandes.

Bernardo Silva poderia ser o elo de ligação, com bola, que Portugal precisaria, mas o jovem talento demora a aparecer.

Sem a sua capacidade de jogar entre linhas, a seleção portuguesa perde capacidade em ter bola, ficando depois entregue a rasgos individuais de Gonçalo Guedes, ou mesmo transições rápidas, novamente com a velocidade do jogador do Valência, ou mesmo com Cristiano Ronaldo.

O 4-4-2 de Fernando Santos não está a funcionar, e na minha opinião, tal como acontece no Uruguai, Fernando Santos deve privilegiar, o fecho dos espaços, e cumprir mais rigorosamente no plano tático e isso parece mais evidente no 4-4-2.

No entanto, penso que a chave para ganhar vantagem sobre este núcleo duro do Uruguai, passaria por jogar com um trio de meio campo, com William, João Moutinho e Bruno Fernandes, e nas alas Ricardo Quaresma ou Gonçalo Guedes, e Bernardo Silva, e na frente Cristiano Ronaldo.

No momento defensivo, Bernardo Silva e Gonçalo seriam médios, e fechariam a faixa, e penso que esta combinação de 4-3-3 no momento ofensivo, e 4-5-1 no momento defensivo poderia ser o ponto chave.

Até porque é imprescindível fugir à batalha do corredor central, onde o Uruguai não deverá dar muitas chances.

Mesmo assim, antecipar os dois onzes iniciais não é fácil, tendo em conta a perspicácia e a minuncia que Fernando Santos tem em preparar estes jogos.

Poderá surpreender mais Fernando Santos que Tábarez, mesmo assim vou arriscar os onzes iniciais que eu antevejo, e que ajudam também a tomar a minha decisão.

Giménez treinou e deverá voltar ao centro da defesa para formar a dupla com o seu parceiro no Atlético de Madrid, Diego Godín.

Uruguai: (4-3-2-1) Muslera; Caceres, Gimenez, Godin, Laxalt; Nandez, Vecino, Torreira, Bentancur; Suarez Cavani

Portugal: (4-4-2) Patricio; Cedric, Pepe, Fonte, Guerreiro; Quaresma, Moutinho, Carvalho, Mario; Guedes, Ronaldo

Prognóstico Uruguai vs Portugal:

O meu prognóstico:

Já foi quase tudo dito, espero uma grande batalha, num jogo entre duas equipas pacientes, pragmáticas, e que sabem da dificuldade que será reverter uma desvantagem.

Isso levará a um jogo tipicamente de under, com uma batalha grande a meio campo, e com pouco espaço para jogar.

Já no lado defensivo, reconheço que o ponto fraco da defesa do Uruguai é as bolas em profundidade, ou se quisermos um jogo mais vertical por parte de Portugal, algo que não tem surgido, por parte da seleção lusa.

Tem jogadores para fazer isso, como Gonçalo Guedes ou Ricardo Quaresma, e por isso o coloco no onze inicial, mas admito que Fernando Santos possa voltar a apostar no apagado Bernardo Silva.

Mas, a meu ver não será o jogo ideal para ele, mas também reconheço que Quaresma, com 34 anos é um jogador menos veloz que outrora e rende mais vindo do banco. Por isso aceito que Bernardo possa manter-se no 11 inicial.

Mas, tirando esse ataque à profundidade, vejo um Uruguai com mais argumentos defensivos que Portugal, e isso poderá fazer toda a diferença neste jogo.

Além disso, esperando um jogo com poucos golos e fechado, os lances de bola parada poderão ser determinantes, e aí a vantagem é novamente para o Uruguai.

Também nos jogadores que podem resolver o jogo, Portugal tem Cristiano Ronaldo, e o Uruguai tem Cavani e Suárez.

Somando todos estes momentos de jogo, confiro um jogo quase 50/50 para atribuir um vencedor.

Consciente da dureza deste jogo, e forte probabilidade de terminar com empate, no tempo regulamentar, impõem-se a necessidade de proteger este resultado.

Assim, achando que a haver um vencedor posa ser o Uruguai, vou de handicap (0), na seleção sul americana.

Prognóstico para ApostasQuotaUn.CasaEstado
Uruguai (0) AH
1.85
10
ESC-Onlineganha

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *